Skip to main content
Drones na topografia

Mapa hipsométrico: o que é e como fazer mais rápido?

Quanto mais e melhores representações se tiver de uma determinada área, maior é a possibilidade de extrair o máximo de proveito da atividade que ali se pretende instalar. 

Os mapas, especialmente quando elaborados a partir de imagens capturadas por drones, são as formas mais eficientes de se conhecer todos os detalhes de uma localidade, seja um pequeno terreno ou uma área de grandes dimensões. 

Entre os mapas informativos mais úteis para se trabalhar no planejamento do uso de uma localidade, destaca- se o mapa hipsométrico. A riqueza de informações que este tipo de mapa pode nos fornecer torna o conhecimento básico sobre ele quase obrigatório para quem trabalha com topografia.

No texto de hoje vamos conhecer o que é um mapa hipsométrico e quais suas principais aplicações. 

O que é um mapa hipsométrico?

A hipsometria é uma técnica muito conhecida na Geografia e Topografia, baseada na representação gráfica de altitudes por meio de cores.

Os mapas hipsométricos são representações gráficas da elevação de uma determinada área por meio de cores.

Esse tipo de mapa é parecido com o mapa de curvas de nível, pois as utiliza no gráfico, mas com o acréscimo da coloração dos espaços entre as curvas. 

E as cores utilizadas no mapa hipsométrico não são colocadas de qualquer jeito. A aplicação das cores obedece a uma convenção. Existe uma legenda convencionalmente utilizada na topografia, onde a escala de cores representa o aumento e diminuição das altitudes. 

De acordo com legenda tradicional, geralmente as cores mais fortes (marrom, vermelho, alaranjado, castanho), significam as altitudes maiores, ou seja, montanhas, cordilheiras..

As cores vão suavizando conforme as altitudes vão baixando na área coberta pelo mapa. Geralmente a cor amarela representa altitudes consideradas médias, e as mais claras (verde e tons de azul) representam as baixas altitudes, como planícies e águas continentais, como lagos e rios.

Também são utilizados nos mapas hipsométricos sombreamento nas cores, e graduação de tons de uma mesma cor, a fim de representar mudanças mais singelas nas altitudes.

 

Quais são as aplicações da hipsometria?

As aplicações do mapa hipsométrico são de grande importância para o conhecimento da área objeto do mapeamento.

Isso porque é uma técnica de medição de altitudes dos pontos de uma área e sua representação em uma planta topográfica. Essas informações são primordiais para que se planeje como melhor utilizar aquele terreno ou aperfeiçoar algum uso que já se faça do lugar.

A aplicação da graduação de tons das cores no mapa hipsométrico melhoram a percepção tridimensional do relevo da área mapeada.

O uso da hipsometria no mapeamento topográfico aperfeiçoa a identificação dos fenômenos naturais que ocorrem na área de análise. A partir da elaboração deste tipo de mapa, torna-se mais dinâmica a análise da variação dos elementos naturais que incidem no local. 

O deslocamento dos ventos, ação das marés, temperaturas, ou seja, todas as características relativas à posição geográfica do local podem ser melhores apuradas com a utilização do mapa hipsométrico.

 

Como fazer um mapa hipsométrico mais rápido? 

A partir da obtenção das imagens processadas da área que se pretende mapear, por meio de softwares como a Mappa, os resultados podem ser utilizados para elaboração de um mapa hispométrico.

Para isso, é necessária a utilização de um software de geoprocessamento que possa elaborar as curvas de nível e inserir a graduação de cores de acordo com os pontos de altitude da área.

Gere as curvas de nível em 10 cliques

Já imaginou fazer processamento de imagens de drone em 10 cliques? Com o software online Mappa é possível. Assim, gerar produtos cartográficos digitais como curvas de nível, ortomosaicos, nuvem de pontos, MDT, MDS e modelos 3D fica muito mais fácil e rápido.

Os modelos digitais de elevação facilitam aos cartógrafos a geração automática de mapas coloridos hipsometricamente.

Faça o Upload das curvas de nível no QGIS

Para elaborar seu mapa hipsométrico no programa QGIS, primeiramente é necessário adicionar um arquivo do tipo Raster que possua os dados de elevação, O download desses arquivos podem ser feitos no site da EMBRAPA, mas também podem ser utilizados os arquivos TOPODATA.

Adicione o mapa de cores

Após a adição do arquivo Raster, é hora de dar as cores da legenda hipsométrica para essa camada. Esta é a etapa da renderização, e é realizada clicando com o botão direito na camada Raster, acionando o menu estilo na opção “propriedades”.

A partir daí será possível atribuir a graduação de cores de acordo com o valor de cada ponto de elevação identificado. Esses valores podem ser criados manualmente ou podem ser gerados com as predefinições do QGIS.

Adicione o efeito de arquivo sombreado

A utilização do efeito de sombreamento do relevo torna muito mais dinâmica a interpretação do resultado final do mapa. Esse efeito visa simular a posição do sol em relação ao relevo da área.

Para conseguir este efeito, existem duas opções que podem ser utilizadas no menu do arquivo Raster. São formas que apresentam praticamente o mesmo resultado final no mapa hipsométrico.

Para uma das alternativas, inicie no Raster, basta clicar na opção “Análise de terreno” e em seguida “Sombreamento”. Caso esta opção não esteja disponível, é possível habilitá-la no menu de gerenciamento de complementos, clicando para instalar este complemento.

A outra possibilidade pode ser acessada a partir do Raster, clicando em “Análise” e depois em “MDE – modelo de elevação digital”. Para finalizar e obter o resultado de sombreamento, basta mesclar os arquivos Raster da escala de cores com o do relevo sombreado.

Conclusão

A utilização do mapa hipsométrico pode agilizar muito o planejamento do que se pretende para uma determinada área. Também é essencial para modificar ou aperfeiçoar o uso que já se faz do local.

Isso porque as informações que este tipo de mapa oferece ao usuário são determinantes para que entenda não só a exata geomorfologia da área mapeada, mas também a relação do relevo com as variáveis dos elementos naturais que ali ocorrem.

A elaboração de um mapa hipsométrico pode ser feito a partir de imagens já processadas por softwares como os da Mappa, que priorizam precisão e produtividade.