Skip to main content

Ainda não sabe como escolher o melhor drone para mapeamento? Pode ficar tranquilo, ao longo deste artigo nós vamos dar todas as dicas que você precisa para fazer uma compra assertiva.

Afinal, escolher a aeronave ideal para as suas necessidades é fundamental para garantir mais produtividade, uma boa performance e bons resultados.

Então pegue seu café e confira 4 dicas indispensáveis para escolher o seu drone para mapeamento.

 

Qual o melhor drone para mapeamento?

A resposta mais simples é: não existe o melhor drone para mapeamento, mas sim o que melhor se encaixa nas suas necessidades. Afinal, cada tipo de aeronave é criada para um uso específico.

Agora que a gente já deixou esse mito de lado, chegou a hora de pensar no melhor drone para quem importa: você. Para isso, é só conferir essas 5 dicas indispensáveis que elencamos para te guiar na sua jornada de compra:

 

4 dicas para escolher um drone para mapeamento 

1) Confira se o drone é compatível com aplicativos de planejamento de voo

Sem um drone compatível com aplicativos de planejamento de voo não é possível realizar voos automáticos, tampouco fazer o mapeamento aéreo. 

Por isso, antes mesmo de comparar outras configurações, preços e marcas, é fundamental que você saiba de antemão quais aeronaves têm compatibilidade com os apps.

Mas afinal, quais são esses aplicativos? Alguns dos mais conhecidos e utilizados no mercado são o Pix4dCapture, o DJI Ground Station Pro, o Drone Harmony e o Drone Link. Os dois primeiros são gratuitos, já os últimos são apps pagos.

E por fim, para te ajudar a escolher um drone para mapeamento ou descobrir se o que você já tem por aí é compatível, e ainda conferir qual planejador de voo usar, confira esta lista:

2) Leve em consideração a autonomia de voo

A autonomia de voo está diretamente relacionada ao hardware e à durabilidade da bateria do drone do seu. Logo, ela indicará qual é a área total que o drone é capaz de mapear em um único voo.

Por exemplo, o drone para mapeamento Mavic Air 2 possui 34 min de autonomia de bateria, já o Mavic 2 Pro tem 30min  e cobre 60 ha por voo. Mas também existem modelos como o  Spectral 2 da Nuvem UAV, que com autonomia de até 1 hora mapeia até 400 hectares em único voo.

 

drone-para-mapeamento-multirotor

Enquanto isso, os drones de asa fixa são capazes de cobrir áreas muito maiores e são indicados para pilotos mais experientes. Devido ao seu design e hardware, esses VANTs têm mais robustez e velocidade.

Como exemplos podemos citar o Verok, desenvolvido pela Horus aeronaves, que possui autonomia de 2h e ainda cobre até 3.500 ha por voo. Também vale destacar o eBee X, da empresa senseFly, que mapeia 220 ha em 90min.

 

 drone-para-mapeamento-asa-fixa

Se as áreas que você deseja mapear são maiores, o ideal é que você invista em um drone mais robusto e com maior autonomia de voo. Caso contrário, será necessário dividir o mapeamento em diversos voos, retardando o seu processo e aumentando a chance de erros.

Para conferir dicas de voo e saber como garantir bons resultados, confira este artigo.

 

3) Esteja atento a resistência à ventos da aeronave

Além da bateria e do hardware do seu drone, outro fator que pode afetar a autonomia de voo é a resistência à ventos, já que eles podem reduzir a velocidade da aeronave.

Normalmente os multirotores têm uma resistência menor que drones de asa fixa, no entanto você não precisa se preocupar. Esse tipo de aeronave é capaz de entregar uma boa performance mesmo assim.

Mas atenção: o indicado é que você não realize mapeamento com ventos acima de 8 a 10 m/s.

 

Windy app para acompanhar a direção dos ventos, fonte: https://rvdaily.com.au/why-windy-weather-forecaster-is-no-ordinary-weather-app/

4) Tire dúvidas com quem entende de mapeamento com drones

Após todas essas dicas, a pesquisa de modelos, marcas e preços é normal que surjam dúvidas sobre o desempenho na prática, não é mesmo? E para responder elas, nada melhor do que pilotos que já tenham experiência com o mapeamento com drones.  

Para isso, vale recorrer a cursos de operação com drones, grupos no facebook ou telegram, vídeos do youtube e fóruns na internet. O que não falta é conteúdo e pessoas dispostas a compartilharem suas experiências. 

 

Agora que você já sabe como escolher o melhor drone para mapeamento, não vamos parar por aqui, não é mesmo? Então vamos conhecer mais sobre o processamento de imagens, a segunda etapa após o voo. Será ele que irá gerar os mapas que você precisa nos seus projetos. 

Logo, para te ajudar, nós criamos uma seleção de artigos para você descobrir tudo o que que precisa sobre o processamento de imagens com drone:

processamento-de-oimagens-drone-mappa