Como processar as imagens do seu drone?

De acordo com um relatório da Research and Market, o mercado global de drones deverá gerar US$ 32,83 bilhões em receita anual até 2026. Setores como a construção civil, mineração, agronegócio e energia se tornaram os líderes na adoção desta tecnologia. Mas como processar as imagens dos drones e transformá-las em informações poderosas?

Para potencializar a performance do seu equipamento, obter resultados precisos e gerenciar projetos de forma inteligente é preciso processar os dados coletados corretamente.

Mas fique tranquilo, neste artigo vamos esclarecer como processar as imagens do seu drone, e ainda explicar o passo a passo para realizar esta tarefa em uma plataforma intuitiva.

Caso você prefira assistir esse guia, basta dar play do vídeo abaixo!

 

 

Como processar as imagens de drone? #

Atualmente existem duas formas de processar as imagens coletadas pelo seu drone. É possível escolher entre o processamento em softwares offline e as plataformas online. Mas quais são as vantagens de cada uma?

 

Softwares de processamento offline #

Os softwares de processamento de imagens offline são capazes de entregar resultados com precisão. Porém, o investimento inicial para aquisição de uma licença de uso e um computador de alta performance pode chegar a R$30.000 reais.

Além disso, para alcançar a precisão e acurácia necessárias, esses programas devem ser operados por um profissional capacitado. Um voo com 300 a 400 imagens, por exemplo, pode levar um dia inteiro para ser concluído.

 

Plataformas de processamento online #

Em contrapartida, as plataformas de processamento em nuvem são intuitivas e ágeis. Em apenas um dia é possível processar em média 8 voos com 300 imagens, e criar ortomosaicos em apenas 10 cliques.

 

Essas plataformas também são compatíveis com todos os computadores e sistemas operacionais. Por isso, basta ter uma conexão com a internet e você será capaz de gerar os resultados que precisa. 

Caso você já faça processamentos offline, recomendamos a leitura deste artigo: 5 vantagens de processar mapas em nuvem.

 

Como processar imagens de drone na Mappa em 4 passos? #

O processamento de imagens na plataforma Mappa é o resultado da combinação de várias fotos capturadas por um drone.

Essas imagens sequenciais do voo serão processadas e “amarradas” pelos algoritmos da Mappa, gerando um ortomosaico. Ele nada mais é que um mapa georreferenciado de alta resolução e outros produtos brutos de um processamento.

 

como-processar-imagens-drone-rodovia

 

Para descobrir como processar suas imagens na Mappa, confira o passo a passo a seguir:

 

Adicione um novo processamento de imagens de drone #

Na tela inicial da plataforma, o dashboard, procure pelo ícone “+” no canto esquerdo superior, junto aos demais menus – este é o botão do “Novo processamento”.

Você será direcionado para uma nova tela, onde fará as configurações iniciais. Nesta etapa você vai dar um nome ao seu processamento e alocar ele em um projeto – uma pasta que agrupa seus voos, para facilitar a gestão dos seus projetos

Ainda nessa primeira parte, você terá duas opções:

  1. Processar imagens do seu drone;
  2. Adicionar um ortomosaico já processado.

 

A diferença é muito simples: no primeiro caminho, você fará o upload das imagens obtidas no voo com o seu drone.

No segundo caso, é possível adicionar um ortomosaico para gerar outros resultados como curvas de nível, MDT e MDS, nuvens de pontos e índices de vegetação.

 

Configure o processamento das imagens #

Ao criar um novo projeto de processamento de imagens de drone na Mappa, será necessário configurá-lo de acordo com alguns parâmetros. São eles:

Tipo de câmera #

O primeiro deles é o tipo de sensor da câmera utilizado: RGB ou multiespectral. Cada sensor entregará diferentes resultados. Entenda as diferenças entre as câmeras RGB e Multiespectral.

Tipo de processamento #

Caso você selecione o sensor multiespectral somente o processamento agrícola estará disponível. Já para o sensor RGB é preciso escolher dentre algumas opções:

  • Padrão: utilizado na maioria dos casos e em áreas urbanas; Produtos Gerados: Ortomosaico, Modelo Digital de Terreno, Modelo Digital de Superfície, Curvas de nível, nuvem de pontos e modelo 3D. 
  • Agrícola: utilizado para áreas homogêneas, como plantações; Produtos gerados: Ortomosaico, Modelo Digital de Terreno, Modelo Digital de Superfície, Curvas de nível, nuvem de pontos, modelo 3D e os índices VARI e IFV. 
  • Topográfico: para quem busca resultados com precisão altimétrica; Produtos gerados: Ortomosaico, Modelo Digital de Terreno, Modelo Digital de Superfície, Curvas de nível, nuvem de pontos e modelo 3D. 
  • Silvicultura: voltado para regiões homogêneas de culturas com plantas altas, como pinus e eucalipto, por exemplo. Produtos gerados: Ortomosaico, Modelo Digital de Terreno, Modelo Digital de Superfície, Curvas de nível, nuvem de pontos, modelo 3D e os índices VARI e IFV.

 

 

Log de voo
#

Este passo é importante para a identificar o tagueamento geográfico das imagens – drones possuem diferentes formas de aplicar a geotag de acordo com o seu fabricante ou tecnologia utilizada.

  1. Fotos georreferenciadas: selecione essa opção caso já tenha coordenadas geográficas inseridas nas propriedades das suas imagens – drones multirotores e asa fixa em geral utilizam esse parâmetro; 
  2. Log de voo Horus: caso você tenha voado com um VANT da Horus Aeronaves, utilize o log de voo retirado da aeronave Horus (arquivo .log gerado no Planejador de Missões a partir do arquivo .bin); 
  3. Log de voo Horus com RTK/PPK:  para drones que utilizam a tecnologia RTK/PPK deve ser inserido um arquivo .txt com as coordenadas geográficas. A formatação correta dessas coordenadas se dá na seguinte ordem: latitude, longitude e altitude, com valores separados por aspas (“ “) e espaçamento único entre as coordenadas.

 

Por fim, você deve selecionar a última opção se o seu voo incluir Pontos de Controle. Aliás, aprenda a utilizá-los corretamente neste artigo.

Para fazer upload dos pontos de controle basta adicionar o arquivo .txt, com as coordenadas em UTM (Zona, Leste, Norte e Altitude). O separador de casa decimal deve ser o “.” (ponto). 

 

Exemplo de coordenadas UTM: Zona 23, N 8.569.300, E 645.750 e H 122.123 m.

 

Faça o upload das fotos e processe as imagens de drone #

Estamos quase lá! Agora basta clicar em PRÓXIMO e avançar para a etapa seguinte.

Selecione as imagens que você deseja processar ou faça o upload de um arquivo em .zip para carregar suas imagens até 10x mais rápido. Não renomeie os arquivos para não correr o risco de tirá-los de ordem.

Vale ressaltar que a velocidade dessa etapa depende da taxa de upload da sua internet. Caso o sinal caia, basta recomeçar o envio – mas não se assuste: a Mappa irá identificar imagens que já foram carregadas e pulará para o próximo arquivo.

 

 

 

Pronto! Agora basta aguardar o resultado na sua conta da Mappa, o tempo de processamento vai depender do número de imagens enviadas.

Ainda não é assinante da Mappa? Solicite um trial gratuito e conheça todas as funcionalidades e vantagens de processar online.